• Sissi Semprini

SOBRE A MORTE PRECOCE


Quando acontece um aborto espontâneo, o corpo etérico continua o desenvolvimento do SER em outra dimensão, até o nascimento e o crescimento natural como seria se estivesse no corpo fisico terreno.


Crianças que morrem bebe, ou muito pequenas continuam a se desenvolver sendo acolhidas pelos membros do mesmo clã a que pertenciam, dai a necessidade da inclusão.


A síndrome de aniversário tem ressonância porque há continuidade no desenvolvimento, o que se faz necessário é expandir a mente e compreender o papel da morte como transformação de um estado de consciência: SER - humano- Terra, para outro estado de consciência: SER - humano - mundo espiritual.


A Lei da pertinência atua nessa frequência.


Só haverá uma mudança de clã nesse SER em uma próxima vinda ao planeta se a sua ligação se der em outra família, mas, a grande família humana é uma só. Dai a importância de deixar ir quem já partiu, para que sua energia não fique presa inter mundos.


O apego excessivo e a não aceitação dos destinos breves na forma humana terrena mantém presos em finas teias energéticas esse SER em processo de evolução.


A Constelação Sistêmica Fenomenológica se apresenta para esses casos como o remédio que cura e realoca essa energia vida onde efetivamente possa e deva estar para dar continuidade ao seu processo evolutivo.


O que há é a perfeição atuante do Cosmos em tudo, em todas as dimensões.


Fala que cura:

Eu te recebo e te acolho, mas também te permito ir.

Não me cabe o controle do seu destino.

Me cabe amar sem impor.

Eu digo SIM.


“Contos Cotidianos” - Sissi

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo